sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Que Femeas Guardar


- As fêmeas férteis podem ser utilizadas, facilmente, até aos quatro anos, desde que produzam a qualidade que você necessita. O êxito do plantel baseia-se na capacidade de criar boas fêmeas. Como o standard do Gloster se baseia em pássaros pequenos, não há razão para não ter fêmeas dentro do standard. Se você utiliza fêmeas com grandes coronas, pode-se recortar a corona antes do período de cria e ele crescerá na próxima muda. Fazendo isso você aumentará as hipóteses da sua fêmea cuidar melhor de sua prole. Assegure-se de cortar a corona um mês antes de criar para dar à fêmea uma possibilidade de acostumar-se a ver o mundo que a rodeia.

- As qualidades de criação são hereditárias. Considere sempre primeiro as filhas das suas melhores fêmeas criadoras, desde que exibam o tipo que necessita. Uma fêmea de qualidade média mas de bons hábitos de criação será sempre preferível a uma fêmea de qualidade superior com pobres registos de criação. Recorde que se você tem uma linhagem de criação, suas fêmeas podem produzir campeões desde que você não ponha todos os ovos na mesma cesta, centrando-se na sua melhor fêmea. Assegure-se de ficar com as fêmeas que criam bem, mas que estão relacionadas com o seu melhor pássaro. As probabilidades de criar um campeão virão de uma delas.


- A utilização de fêmeas grandes na criação condena toda a futura descendência a aumentar de tamanho. Seus filhos serão inclusive maiores e você estará no caminho do fracasso. As fêmeas pequenas são as que melhores resultados lhe darão.

- As fêmeas serão o suporte da forma/tipo do seu plantel. A maioria dos machos são maiores e mais finos que as fêmeas. Se você seleccionar as fêmeas magras e largas, seus filhos não exibirão o standard desejado e destruirão, provavelmente, a qualidade do seu plantel. Às fêmeas com bom tipo podemos atribuir machos que se parecem com elas e assim melhorar definitivamente o seu plantel.

Que Machos Guardar


- Os machos férteis podem ser utilizados, geralmente, até aos cinco anos, desde que dêem provas de qualidade na descendência. Os machos que são bons progenitores, com qualidades ao nível de alimentação das crias são inestimáveis. Pense sempre duas vezes antes de se desfazer de um macho fértil e são com estas características.
- Aos machos que não galam os ovos podemos dar-lhe outra oportunidade no ano seguinte, preferencialmente com uma fêmea que já deu filhotes. Se cruzarmos um macho presumivelmente estéril com uma fêmea que nunca criou, não teremos dados suficientes para esclarecer a situação. Convêm utilizar a nossa melhor fêmea de criação para testar o macho em causa. Se, pelo segundo ano, entretanto ele ainda não reproduz, utilize-o para outro fim que não a reprodução.
Mesmo que se possa tentar um terceiro ano, você estará insistindo numa situação que levará ao desgaste desnecessário de boas fêmeas de criação.

- A ideia de cruzar o melhor macho do plantel com tantas fêmeas quanto possíveis tem um impacto negativo. A maioria da descendência estará muito ligada entre si num abrir e fechar de olhos teremos que procurar novos genes, com a introdução de novos pássaros no plantel. Assegure-se que mantém os irmãos e os primos do seu melhor macho.
Você pode usá-los para diversificação de sua base genética sem mudar a linhagem muito drasticamente. E muitas vezes irá surpreender-se ao descobrir que é a descendência desse macho que está a garantir seus melhores filhotes. A maior parte do tempo os irmãos ou as irmãs de campeões são a melhor aposta, não importando se visualmente não parecem.


- Os machos nos quais se notam sinais de agressividade logo em filhotes são descartáveis. Se for possível livre-se deles. O carácter, como tudo o resto, é hereditário. Tente utilizar os machos pacíficos e calmos para a base do seu plantel.


- Os machos Gloster que parecem fêmeas são o seu melhor activo. Serão, geralmente, de tipo excepcional e menores que a maioria dos machos. Pode-se basear uma criação inteira em tais machos, uma vez que as suas filhas serão extremamente difíceis de vencer em concurso. É habitual ter-se machos grandes que mostram muito tipo, mas isto limitará muito que a descendência tenha características de aves de concurso. Se não formos muito cuidadosos, cedo ou tarde as suas fêmeas estarão maiores e aí será muito tarde para corrigir a situação. Seja crítico com o tamanho dos seus machos, isto permitirá um maior controlo do seu plantel e garantirá descendência sem penalizações.

- Assegure-se que os machos mostrem a cor mais intensa. Em geral, as fêmeas mostram cor mais apagada. Se teus varões não são bem coloridos, as filhas deles serão muito desbotadas. De certo não deseja acabar com um plantel inteiro de pássaros desbotados. É muito difícil conseguir boa cor sobre toda a pena e as vezes terá que fazer escolhas entre o tipo e a cor..

Criação do Canário Gloster



A escolha do casal
À medida que se aproxima uma nova época de criação de canários, a selecção dos casais é da mais extrema importância. Estas selecções determinarão se nós continuamos a progredir, ou se caímos no retrocesso à medida que decorre a criação e a época das exposições avista-se.
O objectivo deve ser assegurar-se de que cada casal esteja bem "balanceado" e sempre acasalar Corona com Consort. Ao seleccionar casais, eu mantenho sempre na mente o que os criadores entendidos de Gloster dizem como certo: "fêmeas para o tipo e machos para a cor". Assim as fêmeas de Gloster, se são coronas ou consorts, devem ser pequenas, redondas na forma do corpo, têm que ter as caudas curtas, cabeças bem formadas e no geral sejam do tipo bom.
Normalmente a qualidade das fêmeas criadas por nós é mais valiosa do que aquelas que são trazidas de outros criadores, pois na criação própria vai ser possível controlar a proveniência da fêmea, enquanto que uma fêmea desconhecida só vai ser possível avaliar a sua aparência exterior, nunca o que está "por dentro" (hereditariedade), não importa as medalhas, os pedigrees, etc, que lhe são mostrados, não há nenhuma garantia que uma nova fêmea trará muitos benefícios no seu plantel (pelo menos a curto prazo).
Os machos de Gloster necessitam de ser curtos e robustos e devem ter a qualidade excelente da cor e da pena. Alguns pontos da escolha devem ser recordados: um Gloster mais velho será ligeiramente maior do que um da ultima criação e os machos começarão a apertar a sua plumagem e a perder a sua forma á medida que a época de criação se aproxima.
Como sempre, ao tratar dos casais de Glosters não é só as diferenças entre os machos e as fêmeas que precisam de ser consideradas, também temos que ter em linha de conta as duas diferentes formas do Gloster: Coronas e Consorts. A característica distinta do corona é, de facto, a sua coroa, a crista das penas na sua cabeça. A coroa deve ser o mais redonda possível e a suas penas devem ser longas e ter "boa inclinação". Todos nós criamos exemplares com a coroa vincada ou rachada, mas estes devem ser rejeitados aquando da selecção. Se não, a falha pode ser passada sobre às futuras gerações.
O Consort pode ser visto como uma ferramenta usada na produção dos coronas, assim a sua plumagem na cabeça necessita ser suficientemente larga para permitir dar forma aos coronas obtidos. Isto pode ser verificado empurrando as penas principais da cabeça de um Consort para a frente. Use uma moeda de 5 cêntimos fazer isto: posicionando a moeda onde a corona estaria, se as pontas das penas estiverem projetadas na parte dianteira da moeda, você sabe que está com as linhas perfeitas para dar origem a bons coronas. Embora não seja necessário que um Consort tenha uma cabeça muito grande, as sobrancelhas devem ter realce e largura ao longo dos olhos.
Mesmo assim existem consorts com as cabeças pequenas, pouco largas e os olhos salientes sem sobrancelhas, que ganham concursos. Isto não é saudável para a selecção e aproximação ao standart definido pelas regras internacionais, isto porque muitas das vezes os juizes dão prémios a tais espécimes porque aquele é o tipo que têm nas suas próprias criações. Mesmo que um juiz possa criar Consorts que não se assemelham ao standart, é o standart que devem ter na mente ao julgar.

domingo, 21 de novembro de 2010

Reconhecimento e Gratidão a todos os Visitantes Bloguistas deste Recanto “albertoglosters”

Ao fim de 4 ou 5 meses em que resolvi, criar este espaço de divulgação e informação acerca da Ornitologia e especialmente do Canário Gloster, devo de uma forma bem clara agradecer a todos os bloguistas e seguidores que têm visitado diariamente ou de uma forma ocasional este nosso recanto em prol do Gloster, e manifestar-vos a minha gratidão.
Por outro lado, não queria deixar de manifestar o apreço, reconhecimento e respeito na criação, selecção e aperfeiçoamento deste cantinho da Mãe Natureza : (o Gloster ) que nos delicia e brinda diariamente com actos de nobreza, elegância e porte majestoso a todos quanto o admiram e se debruçam em perceber a sua essência.
Ao fim de quase 3 anos sensivelmente, a descobrir esta nobre ave, fui ao encontro de vários criadores e aperfeiçoadores tanto quanto possível, do Canário Gloster, segundo as regras do Standart mas acima de tudo respeitando o próprio fenótipo e genótipo da raça que ninguém melhor que a Mãe Natureza o brindou: com tão elegante porte, brilhante plumagem, movimento nobre, etc.
Assim faço daqui um especial agradecimento a criadores e amigos que fui encontrando, trocando opiniões e adquirindo excelentes exemplares (Glosters) como Engº. Augusto Teixeira, Colega Joaquim Lopes, Amigos Patrick de Barros e Hugo Santos, António Silva, Joaquim Martins Talaia, António Fernandes e muitos, muitos outros, não menos importantes que encontramos por esse Portugal Ornitológico.
Para finalizar, um Bem Haja a todos os criadores e amantes da Ornitologia no seu mais vasto esplendor, boas exposições e excelentes criações para 2011.
Alberto